Notícias CROSC

Dia Mundial da Saúde Bucal: “ano pandêmico impacta em agravamento de cáries e doenças gengivais”, alerta Sistema Conselhos

Neste 20 de março – Dia Mundial da Saúde Bucal –, o Sistema Conselhos de Odontologia reforça a conscientização global sobre a prevenção e o controle de doenças bucais. O alerta corresponde às consequências do ano pandêmico às mudanças na rotina de cuidados com a saúde bucal, que impactou em maior incidência de cáries e doenças gengivais. Para os Conselhos de Odontologia, o cenário é preocupante, considerando que a boca é uma das portas principais de entrada do vírus. A boa higienização da boca pode evitar, principalmente, problemas pulmonares que tornam o vírus ainda mais perigoso

Federação Dentária Internacional (FDI), que instituiu a data, revela que entre as consequências geradas pela pandemia estão os problemas de saúde bucal que não eram considerados urgentes e passaram a ser justamente pelo adiamento ou cancelamento ao Cirurgião-Dentista. Além disso, pacientes de alto risco são incentivados a fazer um exame odontológico a cada três a seis meses. Em vez disso, muitos pacientes esperaram de nove meses a um ano, ou mais, entre as consultas, o que acarretou em aumento de dor de dente e complicações graves, resultando em extrações para alguns e tratamentos endodônticos para outros.

Para os Conselhos de Odontologia, a melhor forma de reverter essa situação é por meio do combate à desinformação. É necessário que a população tenha conhecimento dos rigorosos protocolos de prevenção e controle da infecção, adotados pelos Cirurgiões-Dentistas e equipe (Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal e em Prótese Dentária), não somente neste período de pandemia, mas como procedimento padrão para atendimento odontológico.

É preciso informar a população sobre a segurança do paciente acerca do tratamento odontológico, essencial de rotina frente ao cenário de pandemia. Após um ano de pandemia, ainda precisamos deixar claro que o Cirurgião-Dentista possui plena competência técnica para minimizar ou até mesmo eliminar o risco de contágio do vírus no atendimento odontológico, que é potencialmente susceptível como outros ambientes que prestam serviços de saúde. A categoria sempre representou uma das profissões em saúde mais preocupadas com a biossegurança, desde o ambiente acadêmico, o que foi intensificado pelo incentivo a pesquisas neste cenário pandêmico, afirmou.

E, apesar de 77% dos países relatarem interrupção parcial ou total nos serviços de saúde bucal, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, no Brasil, 82% dos Cirurgiões-Dentistas continuaram exercendo a Odontologia durante o período de pandemia, seguindo todas as recomendações publicadas pelo Conselho Federal de Odontologia – Guias, Manuais, E-books, entre outros documentos. Os cuidados foram aplicados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), na Odontologia hospitalar, em consultórios clínicos, em atendimento domiciliar.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe com outros Colegas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin