Notícias CROSC

Dia Mundial de Combate ao Câncer: “acesso à informação é a medida mais eficaz de prevenir o câncer bucal”, afirma especialista

Em entrevista ao Conselho Federal de Odontologia (CFO), Sílvio Cecchetto, coordenador da Campanha de Prevenção do Câncer de Boca “Sorria para a Vida” e Presidente da Associação Brasileira de Cirurgiões-Dentistas (ABCD), evidencia que o acesso à informação é a medida mais eficaz de prevenção ao câncer bucal. Silvio Cecchetto explica que iniciativas simples como higienização adequada e auto-exame bucal, aliadas à consulta regular ao Cirurgião-Dentista, podem reduzir a incidência de câncer bucal, que hoje ultrapassa 15 mil casos por ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Neste 8 de abril – Dia Mundial de Combate ao Câncer –, o Sistema Conselhos de Odontologia fortalece a conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce como fator decisivo para salvar vidas. Como o câncer bucal é considerado um problema de saúde pública mundial, independente do cenário de pandemia, os Conselhos de Odontologia também enfatizam, na entrevista, a importância do papel social conjunto das entidades representativas da categoria para integrar a saúde bucal às ações prioritárias da ONU. O trabalho reforça a necessidade de incluir a saúde bucal na declaração política da Cobertura Universal de Saúde, da ONU, como forma de diminuir o quadro mundial de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs), o que inclui as doenças bucais.

– Quais são os desafios no combate ao Câncer Bucal?

É preciso observar algumas perspectivas centrais que colocam o Brasil como o terceiro país no mundo com maior incidência do câncer de boca: 1 – falta de informação adequada à população para conduzir o diagnóstico e tratamento precoce da doença; 2 – o crescimento da população idosa, que representa também o envelhecimento celular e está ligado ao surgimento do câncer; 3 – aumento de do número de casos de HPV (papilomavírus humano), sendo o sexo oral sem proteção a principal forma de contaminação.

No combate à desinformação sobre o câncer bucal, é importante considerar fatores internos, a exemplo das características genéticas e doenças auto-imunes e fatores externos, como o consumo de cigarro, bebidas alcoólicas, alimentação não saudável, o que inclui a incidência de HPV. Na pandemia, os níveis de estresse e de ansiedade também contribuíram para o consumo excessivo de tabaco e de bebidas alcoólicas, o que impactou também na rotina alimentar. Cada pessoa enfrentou dificuldades específicas nesta pandemia, maios ou menos complexos. As diferentes condições socioeconômicas e culturais em nosso país também dificultam com o trabalho de prevenção do câncer bucal.

– Quais as principais ações conduzidas à frente da Campanha de Prevenção de Câncer de Boca no último ano?

Em virtude da pandemia, as ações foram desenvolvidas expressivamente em ambiente virtual no último ano. A campanha ganhou força nas redes sociais, inclusive com o apoio intenso dos Conselhos Regionais de Odontologia. Sem dúvida, o maior incentivo esteve voltado para a realização do auto-exame, dessa forma, tanto os Cirurgiões-Dentistas, responsáveis pelo repasse dessa orientação adequada, quanto os pacientes, tornam-se agentes fundamentais no combate à prevenção da doença.

Precisamos desmistificar o aparente ‘medo’ da população sobre o câncer bucal. Precisamos ampliar o assunto e quebrar o tabu social sobre a doença. O câncer é a segunda doença que mais mata no mundo Nesse contexto, o livro digital “Prevenção do Câncer Bucal” foi amplamente disponibilizado, de forma gratuita à categoria e população.

– Em âmbito mundial, qual o posicionamento do Brasil junto à Federação Dentária Internacional?

O Brasil possui representatividade permanente junto à Federação Dentária Internacional. Em âmbito internacional, é importante ressaltar que o Brasil foi um dos primeiros países a alcançar o mais alto nível das seis medidas “MPOWER” de controle do tabaco, que seguem preceitos semelhantes ao Programa Nacional de Controle do Tabagismo, que trata justamente da prevenção e do controle do fumo, da taxação dos impostos sobre consumo do cigarro, entre outros itens importantes.

Na prática, o Brasil conseguiu implementar as melhores práticas no cumprimento das estratégias preconizadas pela Organização Mundial da Saúde. O Brasil é referência internacional no combate ao tabagismo, por isso o apoio do CFO junto a esta entidade internacional é fundamental.

– Quais os cuidados principais que devem ser seguidos no combate ao câncer bucal?

Os cuidados básicos de higiene devem ser intensificados, o que inclui o uso de enxaguante bucal, fio dental e escovação regular três vezes ao dia. É preciso estar atento a lesões que permaneçam por mais de 14 dias. O câncer de boca é indolor e silencioso, é preciso estar alerta a aftas que não cicatrizam e não doem, manchas brancas ou vermelhas, nódulos ou caroços na boca, lábios, bochechas, língua e gengivas. Bem como dor e dificuldade para mastigar ou engolir, sangramentos na cavidade oral sem causa aparente, dentes moles sem doença periodontal associada, principalmente em pacientes do grupo de risco que são fumantes e etilistas. Lesões brancas e vermelhas são consideradas pré-cancerizáveis, que são lesões por traumatismos reincidentes, originadas por prótese mal adaptadas ou por má higiene bucal.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe com outros Colegas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin