Notícias CROSC

Lesões orais cancerígenas podem ser identificadas em exame clínico e consulta de rotina odontológica

Na consulta de rotina odontológica, o Cirurgião-Dentista é capaz de identificar lesões orais cancerígenas ou que apresentam potencial de malignização. O diagnóstico precoce do câncer de boca acontece por meio de exame clínico minucioso da cavidade oral, contemplando a avaliação dentária, de toda mucosa oral, dos tecidos gengivais, borda lateral de língua, soalho bucal e região de orofaringe, em que o profissional deve se atentar para qualquer alteração da mucosa, como a presença de lesões ulceradas, lesões brancas e vermelhas, que podem ter diversas etiologias como: infecciosas bacterianas, fúngicas ou virais, auto-imunes, traumáticas, reações medicamentosas, e neoplásicas benignas ou malignas.

Nesse contexto, é importante que o Cirurgião-Dentista inclua no cuidado odontológico uma orientação de alerta e prevenção do câncer bucal aos pacientes, focando principalmente na questão do auto-exame da cavidade oral. O trabalho conjunto da categoria tem autonomia para reverter o quadro mundial que classifica o Brasil como o terceiro país com o maior número de ocorrências de câncer de boca. São 15 mil casos por ano, com maior prevalência em homens acima dos 40 anos (dados do Instituto Nacional de Câncer – INCA), apresentando hábitos deletérios de etilismo crônico e tabagismo.

Para os Conselhos de Odontologia, o vínculo entre o Cirurgião-Dentista e o paciente é decisivo para coleta da anamnese (ouvir atentamente o paciente). Esse bom relacionamento também facilita a identificação de hábitos deletérios que envolvem o etilismo crônico e o tabagismo, ou o uso de medicamentos, drogas ilícitas, hábitos sexuais, por exemplo. Segundo o Sistema Conselhos de Odontologia, por meio da própria queixa relatada pelo paciente sobre dificuldades/ mudanças de mastigação, fonação ou deglutição é possível suspeitar e buscar o diagnóstico de lesões tumorais na cavidade oral.

O diagnóstico do câncer bucal na fase inicial é fundamental para o início do tratamento oncológico precoce, proporcionando aumento das taxas de cura e de sobrevida, menor morbidade aos pacientes. É importante que o Cirurgião-Dentista fique alerta para o câncer bucal, principalmente nos casos em que os pacientes apresentam na cavidade oral:

– Lesões orais que não cicatrizam em um período de 7 a 14 dias

– Lesões ulceradas aftosas que apresentam rápida evolução, que não cicatrizam, e que não apresentam queixas de sintomatologia dolorosa por parte do paciente

– Surgimento de manchas brancas ou vermelhas não removíveis a raspagem na mucosa oral

– Aumento de volume nos maxilares ou na região extra-oral de origem não infecciosa

– Dificuldade para mastigar, deglutir e falar

– Sangramentos na cavidade oral sem causa aparente

– Hálito fétido

– Mobilidade dentária sem doença periodontal associada

– Presença de nódulos ou “caroços” na região submandibular ou no pescoço.

Para lesões orais suspeitas é fundamental a realização da biópsia da lesão, que pode ser feita por um Cirurgião-Dentista clínico geral ou estomatologista, que deve encaminhar o material para análise anatomopatológica para a confirmação do diagnóstico. Caso o profissional tenha dificuldade de realizar a biópsia, o paciente deve ser encaminhado para outro dentista que possa fazer o procedimento.

Lembrando que o tratamento odontológico é essencial antes, durante e após o tratamento oncológico pelas inúmeras alterações bucais advindas do tratamento, em que o cirurgião-dentista irá restabelecer a saúde bucal através da realização dos procedimentos odontológicos, orientações de higiene bucal específicas para cada fase de tratamento, prevenção e tratamento da mucosite oral e de outras possíveis intercorrências, assim como executar acompanhamento odontológico de rotina.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe com outros Colegas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin